CRÍTICA | DE-EXIT – Eternal Matters (2023, HandyGames)

    O pós vida é um tema recorrente em jogos de diversos gêneros, que se utiliza de diversas narrativas e já foi abordado em muitos momentos da história dos games. Desde Death Stranding até The Medium, o que acontece após a morte tem uma interpretação diferente e a mais recente é DE-EXIT – Eternal Matters.

    O título é desenvolvido pela SandBloom Studio, tendo sua distribuição pela HandyGames conhecida por jogos como Endling: Extinction is Forever. O novo game é um indie de plataforma, com resolução de puzzles e aventura de mundo semiaberto.

    Seu lançamento ocorreu no dia 14 de abril tanto para a antiga quanto nova geração: PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X | S e PC. A versão demo do título foi disponibilizada no mês de fevereiro poucos meses antes de seu lançamento para as plataformas.

    O criadores responsáveis pelo jogo indie é Gabriel Jiménez Cabrera e Julien Gatumel Fernandez, cuja ideia é explorar o tema morte de uma forma diferente, não usada com tanta frequência.

    SINOPSE

    Embarque em uma jornada surrealista após a morte para descobrir os segredos do quebrado e misterioso Plano da Memória nesta aventura leve e atmosférica com um toque de furtividade. Explore um maravilhoso mundo voxel com uma intensa abordagem cinematográfica.

    ANÁLISE

    Alguns jogos são feitos para serem jogados, seja por curtos ou longos períodos de tempo, outros para se aproveitar a diversão que proporciona. Mas existe uma vertente que vai além destes caminhos sendo uma vivência narrativa e muito reflexiva.

    DE-EXIT é uma experiência de jogo incomum até mesmo para os padrões atuais de games. Utilizando de todos os seus elementos gráficos para simbolizar a mensagem que carrega, uma excelente reflexão sobre a vida e o que existe através dela.

    Apesar de Lux, o personagem que controlamos estar existindo no pós vida, não significa que se pode saltar de lugares altos e não se tornar uma pilha de ossos. Entretanto, não se tem uma barra de vida ou status, apenas o seu menu de habilidades para alterna-las a medida que se aprimora o artefato.

    A mecânica do jogo é simples, porém não é um elemento que o torne menos desafiador; pelo contrário, alguns puzzles exigem habilidade para se posicionar de forma correta, realizar um salto ou passar por determinado local.

    Explore o (outro) mundo

    O jogo se utiliza de um mundo semiaberto, permitindo explorar alguns locais como a cidade de Nexus. Mas sempre direcionado de forma a progredir na história de seis capítulos.

    DE-EXIT – Eternal Matters não é um jogo de gameplay muito longa, chegando a ser entre seis a oito horas de história. Porém, ser considerado curto para os padrões dos títulos atuais não é um demérito, pois o valor está em sua narrativa muito emocionante.

    A ideia dos criadores é clara desde os conceitos gráficos apresentados em DE-EXIT, pois a escolha pelo estilo vox remete a impressão de algo imaterial. Mas não se deixe pensar que por ter este conceito, o game tenha um trabalho gráfico inferior; pelo contrário, é esteticamente muito agradável de visualizar.

    Apesar de possuir mecânicas simples, fato que poderia se tornar caótico em alguns momentos, ele é fluído e dinâmico. Inclusive para coisas sutis como passar uma linha de dialogo apertando um botão para a fala seguinte.

    A ambientação do jogo é interessante, pois remete diversos lugares diferentes como templos budistas, uma vila no interior do México ou uma região montanhosa. Claro, todos construídos aos moldes de um universo de Minecraft.

    Em sua questão de narrativa, DE-EXIT – Eternal Matters é um jogo emocionante pela história que conta, abordando a existência do além da vida. A escolha de vox para a elaboração deste universo é acertada, pois remete a algo sem uma forma física especifica, mesmo que os personagens sejam esqueletos.

    Sua história consegue ter riqueza e identidade, com potencial para que possa ser adaptado para outras mídias, como as animações, por exemplo.

    VEREDITO

    DE-EXIT – Eternal Matters é uma excelente pedida para os fãs de jogos indies, com um desafio de gameplay balanceado, graficamente muito bonito e com uma história excelente para aqueles que gostam de uma experiência de jogo/ cinematográfica.

    Nossa nota

    4,0 / 5,0

    Assista ao trailer de lançamento:

    Acompanhe as lives do Feededigno na Twitch

    Estamos na Twitch transmitindo gameplays semanais de jogos para os principais consoles e PC. Por lá, você confere conteúdos sobre lançamentos, jogos populares e games clássicos todas as semanas.

    Curte os conteúdos e lives do Feededigno? Então considere ser um sub na nossa Twitch sem pagar nada por isso. Clique aqui e saiba como.

    Artigos relacionados

    5 novos jogos de Nintendo Switch para toda a família explorar

    O Nintendo Switch dá as boas-vindas à primavera com seleção incrível de jogos casuais no portátil da Big N. Confira a lista!

    EU CURTO JOGO VÉIO #7 | ‘Congo’s Caper’ é platformer do SNES cheio de personalidade

    Congo's Caper é um game divertido e cheio de desafios. O game foi lançado em 1993 para o Super Nintendo e ganhou uma versão ocidental.

    CRÍTICA: ‘Raccoo Venture’ é platformer brasileiro divertido, que empolga

    Raccoo Venture é game indie Brasileiro que encanta por sua jogabilidade direto ao ponto e sua dificuldade enorme, acima de tudo.

    Star Wars: Outlaws | Revelado trailer narrativo, confira detalhes

    Star Wars: Outlaws ganhou seu primeiro trailer narrativo. O trailer revelou em qual momento da história o game será ambientado e mais!