Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – Zoey’s Extraordinary Playlist (2ª temporada, 2021, NBC)

CRÍTICA – Zoey’s Extraordinary Playlist (2ª temporada, 2021, NBC)

CRÍTICA - Zoey's Extraordinary Playlist (2ª temporada, 2021, NBC)

A 2ª temporada de Zoey’s Extraordinary Playlist chegou ao fim, deixando algumas pontas soltas para uma terceira temporada que pode nunca chegar. Ainda que o showrunner da produção, Austin Winsberg, tenha deixado o final da série em aberto, a NBC ainda não considerou a renovação de Zoey’s.

Isso porque, a série vem sofrendo para manter sua audiência nos episódios de estreia. A própria season finale da 2ª temporada teve a pior audiência da produção inteira. Mas, isso não significa que a série seja ruim, apenas que sua invisibilidade faz parte de um sistema televisivo que talvez não funcione mais.  Além disso, Zoey´s fez ótimos números na pós exibição na TV e ainda, Jane Levy recebeu uma indicação ao Emmy 2020 por sua atuação como a protagonista Zoey.

Ou seja, Zoey’s Extraordinary Playlist é uma série que derrama originalidade, mas que precisa urgentemente ser notada. A produção carrega o estigma de outras séries musicais, como Glee, mas é extremamente empática e sincera sobre sua execução e objetivos. Sua base estilo Broadway é um pretexto para contar uma história muito maior que nas palavras de Winsberg inspira esperança.

Logo, foi sobre essa sinopse que a segunda temporada do show foi construída. Austin Winsberg optou por não mostrar a pandemia da Covid-19 como uma forma de trazer um alento aos espectadores elaborando um final que não considera o cancelamento. Dessa forma, a decepção pelo final de Zoey’s pode ser muito maior quando se percebe que talvez a série não volte.

O que não tira de forma alguma o prestígio do segundo ano da produção que conseguiu manter seu equilíbrio apesar de todas as apostas contra. Isso se dá pelo ótimo elenco que a série possui e também, por entender que é preciso abrir mão de certos arcos para criar uma história melhor.

Zoey’s Extraordinary Playlist é a série que você não sabia que precisava

Os destaques da 2ª temporada de Zoey’s Extraordinary Playlist 

No começo da temporada damos adeus a dois personagens essenciais para a construção de Zoey. Seu pai, Mitch, interpretado por Peter Gallagher é um grande desfalque na série, mas faz parte do que move Zoey a novos desafios. Já Joan, interpretada por Lauren Grahan deixou a produção por conta de sua agenda. Dessa forma, a protagonista perde sua mentora e nem um destaque maior para o CEO Danny Michael Davis (Noah Weisberg) supre a falta que Grahan faz na produção.

Logo, a criação de arcos desnecessários como o envolvimento de Zoey com Aiden e sua banda serve apenas para criar mais conflitos no arco familiar. Uma ideia que não leva a lugar nenhum e é facilmente encerrada sem prejudicar em nada a série. É certo que o espectador já se acostumou com todas as pequenas narrativas de Zoey, como sua família, seu trabalho e o seu triângulo amoroso.

Mas, na busca por trazer coisas novas à segunda temporada, o melhor de longe é o arco do restaurante criado por Max (Skylar Astin) e Mo (Alex Newell). O que refresca a produção e traz muito mais dinamismo entre os personagens fazendo a história acontecer além da protagonista. De certa forma, o mesmo acontece com o resto elenco, cada um tem seus próprios conflitos que com a ajuda de Zoey são resolvidos ou não.

Logo, alguns dos melhores episódios é quando o espectador observa mais dos outros personagens, como a depressão pós parto de Emily (Alice Lee), o conflito ético racial que Simon (John Clarence Stewart) passa na empresa e as adversidades dentro da comunidade LGBTQI+ com Mo e Perry (David St. Louis).

Isso só evidencia que Zoey’s Extraordinary Playlist tem muito a abordar, tratando sobre diversos temas de forma leve e simpática. Consequentemente, se é preciso criticar negativamente alguma coisa é a demora para resolver o triângulo amoroso. Visto que é nítido que a relação de Zoey e Alex sempre irá prevalecer, deixando Simon à deriva. Mas, até isso é entendido no final, dando novos propósitos para o personagem.

Por último, a produção da série continua maravilhosa sem se abalar com o possível cancelamento. As músicas expressam o melhor dos momentos e dos personagens criando performances belíssimas que evocam simbolismos. Não à toa, a série mostra sua grandiosidade na medida que não precisa de esforços para cativar o público. É só uma questão de dar uma chance a Zoey’s Extraordinary Playlist.

VEREDITO

Zoey’s Extraordinary Playlist se mantém uma ótima produção em sua segunda temporada. Abrindo mão de arcos desnecessários e entendo o que realmente funciona na série. As performances musicais continuam perfeitas e o season finale é um grande gancho para uma terceira temporada (por favor, NBC).

Nossa nota

4,0 / 5,0

Assista ao trailer original (sem legenda):

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Final Fantasy Crystal Chronicles Remastered Edition (2021, SQUARE ENIX)
Próximo artigoLeague of Super Pets: The Rock será a voz de Krypto, o Supercão
Jornalista em formação e apaixonada pela sétima arte. Representatividade e movimentos sociais através do cinema é fundamental. Apreciadora de livros, animes e joguinhos de ps4 nas horas vagas. The final girl.