Início FILMES Crítica CRÍTICA – Star Wars: Os Últimos Jedi (2017, Rian Johnson)

CRÍTICA – Star Wars: Os Últimos Jedi (2017, Rian Johnson)

360
0

“Treine a si mesmo a deixar partir tudo o que teme perder.”

A frase de Mestre Yoda para Anakin Skywalker em Star Wars: A Vingança dos Sith representa (e muito) o caminho trilhado por Rian Johnson na direção do novo filme da franquia, Os Últimos Jedi. A necessidade de oxigenação, de buscar um novo caminho para a saga da família Skywalker, já tão explorada anteriormente, é visível, e Rian faz essa transição à sua maneira. Após um Despertar da Força pautado pela nostalgia e do fan service para a legião de seguidores da maior franquia da história do cinema, Os Últimos Jedi procura abraçar o novo, mesmo que para isso precise se libertar, aos poucos, de seu passado.

Em Os Últimos Jedi, a história começa no mesmo ponto em que o episódio VII terminou. Rey (Daisy Ridley) chega a ilha de Ahch-To com uma missão e um desejo: ela precisa de um mestre, de um guia, alguém que possa ensiná-la a entender a Força e como utilizar esse poder para deter a Primeira Ordem. Luke Skywalker (Mark Hamill), uma lenda viva e o último representante da Ordem Jedi é o único que pode ajudá-la a trilhar os caminhos da Força. Apesar do enredo muito similar a O Império Contra-Ataca, as escolhas de direção e roteiro fogem da maioria das previsões e obviedades. Luke não possui mais o fascínio e disposição de seu personagem como há 30 anos, mostrando que seu fracasso no treinamento de Kylo Ren (Adam Driver) deixou sequelas maiores do que poderíamos imaginar.

Luke, Kylo e Rey são o foco dessa nova produção e nos relembram a todo momento que entre o bem e o mal existe um equilíbrio, mas que nem tudo pode ser analisado facilmente como certo ou errado. É nesse filme que vemos todo o potencial de Luke e como seu poder (e personagem) cresceu até aqui. Mesmo com todas as suas inseguranças, não restam dúvidas de que Luke é sim o escolhido da profecia. Além de Luke, a ligação entre Rey e Kylo por intermédio da Força é mais um indício de que Os Últimos Jedi fala sobre balanço: quanto mais forte a luz e a esperança, mais forte também a escuridão. A complexidade dessa relação é trabalhada profundamente por Rian, mostrando que tanto Rey quanto Kylo vivem em uma solidão constante e que, se trabalharem juntos, podem transformar a galáxia – para o bem ou para o mal.

Apesar de possuir um apelo visual fascinante, com uma fotografia incrível (linha adotada em O Despertar da Força) e grandes cenas de ação, Os Últimos Jedi está longe de ser perfeito. Devido ao storytelling focado em Kylo, Rey e Luke, os personagens secundários (e que já tiveram mais tempo em tela anteriormente), sofrem as consequências do roteiro. Com tantos núcleos existentes na trama – a resistência, com Leia (Carrie Fisher está incrível) e Poe Dameron (Oscar Isaac); a missão paralela de Finn (John Boyega) e Rose (nova personagem interpretada por Kelly Marie Tran); os representantes da Primeira Ordem, General Hux (Domhnall Gleeson), Snoke (Andy Serkis), Capitã Phasma (Gwendoline Christie); os droids e o ladrão decodificador DJ (Benicio Del Toro) – a necessidade de um filme mais longo é iminente e acaba tornando-o um pouco cansativo.

O segundo ato, protagonizado por Rose e Finn, é o que mais possui problemas de continuidade, tornando o resultado de toda a missão que envolve os personagens em algo descartável. O terrível vilão Snoke e a Capitã Phasma são extremamente mal aproveitados: com aparições rápidas e desfechos mais rápidos ainda, transformando os vilões em ameaças não tão ameaçadoras assim. A dispensa de personagens como o Almirante Ackbar (de forma pouco honrosa para um ícone da franquia), também é um erro desnecessário. Ackbar poderia ter seu caminho finalizado com maestria na última cena da General Holdo (Laura Dern), substituindo-a nesse ato kamikaze, por exemplo. Alguns cortes de cenas também acontecem com certa brutalidade e talvez seja resultado da reestruturação de roteiro após a morte de Carrie Fisher. A atriz possui, ainda assim, um bom espaço na trama, explorando habilidades que até então nunca havíamos visto.

O coração de Os Últimos Jedi está em seus personagens e por isso o contexto que eles estão inseridos é tão pouco explorado. As cenas em que vemos Luke, R2D2, a nossa eterna Princesa Leia, C-3PO, BB8, a própria Rey e algumas outras surpresas, trazem alma e significado para a trama. A forma como Rian conduz a narrativa, abrindo espaço para novas histórias ao redor da galáxia, com novos personagens, é importante para que Star Wars permaneça vivo por muitos e muitos anos. A coragem de não apenas repetir a fórmula já utilizada, mas tentar algo novo, faz de Os Últimos Jedi o filme mais ousado da saga, com sua própria identidade.   

Nunca é fácil dizermos adeus para o que amamos. Entretanto, é necessário olharmos para o futuro da galáxia e pensarmos nos próximos passos. Os Últimos Jedi é um filme divertido que possui leveza para olhar o seu passado e crenças para alcançar o futuro. Uma continuação que, na verdade, é o início de uma nova saga, o primeiro passo para novos universos e uma forma de passar o bastão para as aventuras de uma nova geração.

Assista ao trailer:

Star Wars: Os Últimos Jedi – Trailer final

Último trailer de Star Wars: Os Últimos Jedi! Curta: Site Feededigno

Posted by Feededigno on Thursday, November 30, 2017

Nossa nota

Fique ligado no nosso site e Facebook! Deixe seu comentário e lembre-sede nos acompanhar no também no TwitterInstagram Pinterest.

Comentários