Início FILMES Crítica TBT #61 | O Labirinto do Fauno (2006, Guillermo Del Toro)

TBT #61 | O Labirinto do Fauno (2006, Guillermo Del Toro)

90
0
O Labirinto do Fauno

Dando continuidade ao nosso já tradicional TBT, trazemos essa semana O Labirinto do Fauno. O filme foi indicado a seis categorias do Oscar, tendo levado três estatuetas: Melhor Maquiagem e Penteado, Melhor Fotografia e Melhor Direção de Arte. Aqui, Guillermo Del Toro nos faz sentir tocados com os mais diversos dilemas da jovem Ofelia; e mostra que todos os prêmios supracitados foram mais que merecidos.

Uma profecia de um antigo conto de fadas, e o iminente confronto dos guerrilheiros antigovernistas contra o Movimento Nacional de Francisco Franco estão prestes a colidir na Espanha, em 1944. O Labirinto do Fauno, assim como A Espinha do Diabo (2001), nos apresenta muitos dos elementos de roteiro embasados na realidade em que conflitos armamentistas envolvem jovens protagonistas e os levam para destinos que fogem das suas mãos, na Espanha do século XX.

Ofelia entrando no lar do “Homem Pálido”.

Ofelia (Ivana Baquero), uma ávida leitora de contos de fadas, se mostra extremamente perdida em meio a uma repentina mudança para o interior com sua mãe doente, uma guerra e outros conflitos que fogem de qualquer compreensão ou controle.

Em O Labirinto do Fauno, Guillermo Del Toro flerta com a sensibilidade dos expectadores, ao nos deixar sempre no limiar de uma realidade brutal, e a fantasia dos contos de fada. Assim, Ofelia se vê envolvida em uma antiga profecia fantástica.

O roteiro de Del Toro parece ter sido mergulhado no lago das mais diversas referências, abordando elementos da Mitologia Romana, contos dos irmãos Grimm, Alice no País das Maravilhas, O Mágico de Oz e o Catolicismo, assim como outras referências ainda mais explícitas e outras nem tanto assim.

A luta de Ofelia perante as mais diversas provações se apresentam cada vez mais difíceis, quando contrapostas com o mundo exterior e a batalha que os moradores do vilarejo e os jovens membros da resistência travam.

Todo o clima de fantasia, assim como o que podemos chamar de “mundo real”, e ambientações, nos fazem questionar por vezes o que está diante dos nossos olhos. O que é multiplicado com a incrível presença de Doug Jones, ao dar ao fauno uma credibilidade e estranhezas tangíveis.

O diretor Guillermo Del Toro e o Fauno (Doug Jones).

É coerente dizer que o longa de Guillermo Del Toro brilha no que tange os efeitos práticos e maquiagem, e deixa os mais fracos de estômago de olhos fechados, ao apresentar um nariz sendo quebrado, ou uma perna amputada. 

Curiosidade: O ator americano Doug Jones, que é famoso por suas parcerias com Del Toro em Hellboy e A Forma da Água e por seus papéis focados em expressão corporal Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado, Star Trek: Discovery, atua neste longa como dois personagens.

PUBLICAÇÃO RELACIONADA | StarCon: Doug Jones esbanja simpatia em coletiva de imprensa em SP

O Labirinto do Fauno nos toca nos lugares mais profundos da mente, nos levando até onde jamais pensávamos retornar, ou acreditávamos há muito estar extintos, no lugar onde a inocência e a crença nos contos de fadas nos faziam ser criativos, imaginativos e nos tiravam o ar.

Nossa nota

Confira o trailer dublado abaixo:

Você já assistiu O Labirinto do Fauno? Dê sua nota e conta pra gente, nos comentários, o que achou! Lembre-se também de conferir as indicações anteriores do TBT do Feededigno.

Nota do publico
Obrigado pelo seu voto



E ai, você curte o nosso trabalho?

Se sim, sabe que ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Comentários