Início SÉRIE Crítica Lovecraft Country: Episódio 9 – Rewind 1921 | Análise e referências

Lovecraft Country: Episódio 9 – Rewind 1921 | Análise e referências

194
0

No último domingo (11/10), foi exibido o episódio 9 de Lovecraft Country intitulado Rewind 1921. O novo capítulo remonta os acontecimentos do Massacre em Tulsa, quando a população branca incendiou casas e assassinou brutalmente milhares de cidadãos negros no distrito de Greenwood. 

O texto a seguir terá spoilers. Leia por sua conta e risco.

SINOPSE

Com Hippolyta (Aunjanue Ellis) no comando, Leti (Jurnee Smollett), Tic (Jonathan Majors) e Montrose (Michael Kenneth Williams) viajam para Tulsa, 1921, em um esforço para salvar Dee (Jada Harris). 

LEIA TAMBÉM:

Lovecraft Country: Análise e referências

Episódio 8 – Jig-A-Bobo

Episódio 7 – I Am

Episódio 6 – Meet Me In Daegu

Episódio 5 – Strange Case

Episódio 4 – A History of Violence

Episódio 3 – Holy Ghost

Episódio 2 – Whitey’s on the Moon

Episódio 1 – Sundown

ANÁLISE

O episódio Rewind 1921 tem seus acontecimentos diretamente conectados à trama iniciada em Jig-A-Bobo. Após Lancaster (Mac Brandt) amaldiçoar Dee, a menina fica em coma deitada em uma cama. Seu braço está em estado de putrefação, assim como boa parte do lado direito de seu corpo.

Ruby (Wunmi Mosaku), Montrose, Tic e Leti estão juntos na casa de Hippolyta tentando encontrar uma forma de ajudar Dee. Tic diz que irá oferecer as páginas de Titus Braithwhite para Christina (Abbey Lee) em troca de ajuda. Nessa hora, Leti revela já ter entregue as páginas em troca de invulnerabilidade para Tic. A invulnerabilidade que, na verdade, acabou ficando para ela. 

As páginas de Titus eram o último item necessário para que o idioma de Adão fosse traduzido. Com elas, Christina agora possui o conhecimento para traduzir todas as folhas do Livro dos Nomes, o que pode dar a ela poderes inimagináveis. Ou melhor, dará a ela o conhecimento necessário para conseguir o que procura: a imortalidade.

Lovecraft Country: Episódio 9 - Rewind 1921 | Análise e referências

Montrose se altera, pois essa escolha de Leti coloca todos eles em extremo perigo. Tic diz que essa era a única vantagem que eles tinham para receberem a ajuda de Christina. É nessa hora que Ruby revela sua relação com a herdeira Braithwhite.

Logo após vemos Christina analisando os desenhos feitos por Dee na noite anterior. Enquanto esperava pelas gêmeas Topsy e Bopsy, Dee deixou rascunhos de tudo o que aconteceu com ela, facilitando para que os nossos heróis descobrissem uma forma de salvá-la. 

Tic pergunta a Christina se é possível reverter o feitiço e ela diz que a maldição está selada por quem a conjurou. Ela acaba recebendo a informação de que Lancaster faleceu durante o embate na frente da casa Winthrop, o que a leva até a hospedaria de Chicago para confirmar a veracidade da história.

Antes de ir, Christina diz que pode atrasar os acontecimentos para que Diana ganhe algumas horas de fôlego até acharem uma forma de salvá-la. Em troca, ela quer que Tic vá voluntariamente até Ardham durante o equinócio para participar do novo ritual de imortalidade – aquele das visões de Ji-Ah (Jamie Chung) no episódio Meet Me In Daegu.

Lovecraft Country: Episódio 9 - Rewind 1921 | Análise e referências

Tic aceita o acordo, já sabendo que não irá sobreviver ao ritual (apesar de Christina ainda não saber que irá morrer tentando). Para que o feitiço dê certo e Dee ganhe algumas horas de fôlego, é necessário que o parente mais próximo use seu sangue durante o ritual, o que acaba levantando uma nova dúvida: seria Tic o parente mais próximo de Dee, ou Montrose?

Essa dúvida desencadeia uma conversa de Montrose com Tic, em que ele conta que talvez Tic possa ser filho de George (Courtney B. Vance). Tic fica sem entender e acaba revivendo memórias do passado e magoando Montrose, que começa a beber para tentar esquecer os problemas. 

Nesse momento, Hippolyta retorna de sua grande jornada pelos diversos universos paralelos iniciada no episódio I Am. Ela escuta a conversa de que Dee não está nada bem e rapidamente se prontifica a encontrar uma solução para o problema. 

Paralelamente, Christina bebe a poção de metamorfose e vai até a hospedaria de Chicago no corpo de William (Jordan Patrick Smith). Chegando lá, ela vê Lancaster sofrendo as consequências da runa que ela havia pedido para Ruby deixar escondida no escritório do policial durante o episódio Strange Case.   

Lovecraft Country: Episódio 9 - Rewind 1921 | Análise e referências

Mesmo trocando novamente de dorso – colocando o corpo de outro homem negro no lugar do que ele utilizava antes – Lancaster não consegue curar as feridas feitas pelo Shoggoth na noite anterior. Christina tripudia do acontecimento, deixando claro que irá tomar o lugar de Lancaster utilizando a identidade de William, se tornando, assim, a chefe daquela sociedade também.

Christina regressa a casa de Hippolyta e conjura o feitiço de regressão, fazendo os acontecimentos do dia anterior retrocederem e retirando Topsy do corpo de Dee. A partir desse momento o grupo se divide: Ruby opta por ir com Christina enquanto o restante dos personagens segue Hippolyta.

Antes de ir embora com Christina, Leti tenta abrir os olhos de Ruby sobre quem a sua amante é de fato, explicando que Christina irá matar Tic em seu ritual em Ardham para conseguir a imortalidade. Após voltarem para a mansão Braithwhite, Ruby confronta Christina, que confirma que precisa do corpo de Tic para o ritual.

O arco de Christina e Ruby é extremamente interessante, pois não há motivo para Ruby acreditar tão cegamente assim na Braithwhite. Entretanto, ela também não tem nenhum motivo para desconfiar da amante (até agora). A relação das duas promete ter tons trágicos no próximo episódio – que tem tudo para ser aterrorizante para todos.

Lovecraft Country: Episódio 9 - Rewind 1921 | Análise e referências

Enquanto isso, Hippolyta explica rapidamente para o grupo o que eles irão fazer: retornar ao observatório Winthrop para encontrar o foco da magia, que é o Livro dos Nomes. Tic explica para Hippolyta que a máquina do tempo está estragada e que eles não possuem mais a chave. Então, Hippolyta mostra o que parece ser uma chave com um luz própria (um item de tecnologia extremamente avançado) e diz que vai consertar a máquina.

É nessa hora, também, que ela explica seu sumiço. Durante uma semana, Hippolyta ficou desaparecida, o que significou, na verdade, 200 anos na Terra 904. Aquelas coordenadas de tempo e localização que vimos no episódio I Am representaram séculos em que Hippolyta aprimorou seus conhecimentos. 

O grupo então se redireciona para Mayfield, onde entrarão em uma viagem no tempo para Tulsa, em 1921. A viagem é necessária para que o grupo possa ter acesso ao Livro dos Nomes e, assim, descobrir a fonte da magia que mantém Dee amaldiçoada.

Aqui vale uma nota de atualização: No episódio 7, o mapa de Hippolyta dizia Mayfield no Kansas, porém Misha Green confirmou no Twitter que isso foi um erro, pois ela não percebeu que o mapa dizia Kansas em cima. No episódio 9 eles mencionam Mayfield no Kentucky, o que faz bem mais sentido no tempo/espaço que eles precisam percorrer.

Lovecraft Country: Episódio 9 - Rewind 1921 | Análise e referências

Essa volta no tempo para Tulsa será um grande desafio para Montrose, pois além de reviver um dos piores massacres da história – com todas as mortes e sofrimento que aquele dia causou em sua vida – ele terá que, também, reviver a relação violenta com seu pai abusivo e assediador. 

Desde o episódio A History of Violence, vemos que Montrose cruzou uma barreira que o mudou para sempre. Ele está transformado, mais aberto a dividir seus sentimentos e a aceitar suas falhas e traumas. É um dos melhores desenvolvimentos de personagem do seriado, mesmo que ele não tenha um episódio próprio para contar a sua história – como Ji-Ah e Hippolyta, por exemplo.  

Se a algumas críticas atrás eu torcia para que Montrose pagasse por seus erros, hoje consigo enxergar um personagem completamente diferente e que abriu mão de tudo em prol de ser alguém que os outros esperavam que ele fosse. Isso não apaga seus erros, mas claramente traz um novo contexto para a mesa sobre cada atitude que ele tomou ao longo dos episódios.

Portanto, levar Montrose de volta a 1921, para recuperar o livro em Tulsa, é um passo extremamente arriscado, pois se alguma coisa for modificada, todo o futuro pode estar em risco. Mesmo cientes das possíveis consequências, Leti, Tic e Montrose vão em busca do livro escondido no distrito de Greenwood. 

Enquanto Hippolyta e Tic tentam consertar a máquina, Leti e Montrose conversam. Ele explica que Tic não só sabe do filho que Leti está esperando, como também sabe que não irá sobreviver ao ritual de imortalidade. Christina não ter as páginas de Titus era uma forma de impedir que Tic morresse, o que agora é inútil, pois Leti a entregou os documentos.

Lovecraft Country: Episódio 9 - Rewind 1921 | Análise e referências

Hippolyta se conecta à máquina do tempo no observatório e utiliza as placas de energia acopladas em seus pulsos como placa mãe para reabrir o portal dentro da Terra atual – sem risco de serem levados a uma realidade paralela. 

O grupo atravessa o portal e aterrissa no Hotel Stradford. O hotel existiu em Tulsa na vida real e foi fundado por J.B. Stradford, filho de um antigo escravo do Kentucky que aprendeu a ler e se libertou da escravidão. Nos corredores da instalação, eles escutam jovens comentando que o baile da escola Booker T. Washington High School foi cancelado.  

Montrose explica que o baile foi cancelado poucas horas antes do massacre começar, o que coloca eles em uma corrida contra o tempo para conseguir o livro sem alterar nenhum dos acontecimentos do passado. 

Eles partem para a casa de Dora (Erica Tazel), mas, no caminho, Montrose se distrai com suas memórias e pensamentos ao passar por uma praça da cidade. Tic percebe que Montrose está bêbado e diz coisas horríveis ao pai, o deixando ainda mais abalado. A relação dos dois está por um fio, ainda mais depois da descoberta de que Tic pode ser filho de George.  

Ao chegarem até a casa, o grupo vê Verton Freeman (William Catlett) surrando Montrose com um galho de árvore. Montrose explica que o pai o bateu porque ele experimentou a roupa que George usaria naquela noite no baile. A roupa era cara, e por isso o pai não queria que estragasse. Ele também pegou Montrose utilizando a flor que George entregaria para Dora naquela noite do baile.  

Lovecraft Country: Episódio 9 - Rewind 1921 | Análise e referências

Essa cena é extremamente forte por todo o contexto da viagem do tempo e o fato de Tic ter destratado Montrose desproporcionalmente alguns minutos antes. Todo o trauma carregado por Montrose durante todos esses anos está diretamente ligado ao seu pai – e ele cometeu os mesmos erros com Tic.

Dora aparece e interfere, defendendo o pequeno Montrose de seu pai. O menino desaparece correndo pelas ruas de Tulsa e, sem Leti e Tic perceberem, o Montrose do presente vai atrás dele. Nessa hora eles resolvem se dividir: Leti vai atrás do livro, enquanto Tic busca por Montrose.

Começando por Leti: em meio à confusão que está rolando na cidade, ela acaba esbarrando num grupo de homens brancos. Sem muito o que fazer para escapar dos homens armados, Leti corre até a casa dos Freeman e é salva por Gilbert (Keith Arthur Bolden), pai de Dora e Beulah (Nilah Blasingame).  

Uma vez dentro da casa, Leti tenta passar o mínimo de informação possível, pois ela não pode interferir nos acontecimentos. Infelizmente, o destino daquelas pessoas deve ser concretizado, e ela precisa encontrar o livro antes que o fogo tome conta da casa.

Esse é um dos maiores pesos que esse episódio carrega: não poder mudar o curso da história e salvar as pessoas. Se alguma coisa for alterada, toda a viagem no tempo pode nem acontecer, e eles ficariam presos naquela realidade para sempre (ou até desapareceriam, dependendo da escolha narrativa).

Paralelamente, Tic encontra Montrose no beco em frente à praça. Ele sabe por que o pai está lá, pois tanto ele quanto George sempre contavam a história do homem misterioso que os salvou durante uma briga no dia do massacre.

Lovecraft Country: Episódio 9 - Rewind 1921 | Análise e referências

O que Tic não sabe é a história antes dessa briga. Ele encontra Montrose querendo interferir na morte de um menino chamado Thomas (Khamary Rose), cujas últimas palavras que escutou antes de ser assassinado pelos supremacistas brancos foram proferidas por Montrose – palavras homofóbicas, fruto da repressão que seu pai havia feito com ele. 

Montrose explica que já repassou esse cenário em sua cabeça inúmeras vezes e que salvar Tom não poderia interferir no curso do futuro. Abrir mão de um garoto de quem gostava quando jovem foi apenas um de tantos outros momentos que, ao longo da vida, ele teve que abrir mão para ser o pai de Tic.

O diálogo poderoso entre pai e filho abre uma ferida emocional em ambos. Essa é a primeira vez que vemos Tic olhar para seu pai com amor e ternura. Esse é realmente um dos ápices do episódio e talvez um dos melhores diálogos de toda a temporada. As atuações de Jonathan Majors e Michael Kenneth estão no ponto, destacando a grande química que eles possuem em tela e exaltando ainda mais a capacidade do elenco de Lovecraft Country em entregar grandes cenas de drama.  

Montrose não consegue salvar Thomas, e acompanhamos todo o desenrolar da cena da praça. George e Dora chegam para ajudar Montrose a se defender, mas foi o homem misterioso com o taco de beisebol que salvou a todos naquela noite. Percebendo que o homem não aparece, Tic e Montrose constatam que algo foi alterado após a viagem no tempo.

Lovecraft Country: Episódio 9 - Rewind 1921 | Análise e referências

O taco está próximo a Tic, que acaba tomando a frente e salvando as três crianças, distribuindo golpes contra os supremacistas. Ele termina a cena repetindo a fala que o homem misterioso havia dito para as crianças quando as salvou: “Estou contigo, garoto!” (“I got you, Kid!” no original).  

Leti está na casa procurando pelo Livro dos Nomes quando é confrontada pela avó de Dora, Hattie (Regina Taylor). Ela acaba percebendo que não há outra escolha além de contar para Hattie toda a verdade. Leti explica sobre a viagem no tempo, Atticus, o futuro e os Braithwhite. Também diz que eles não podem interferir no curso da história, e o que era pra acontecer naquele momento precisava acontecer. 

Após certa relutância, Hattie aceita seu destino e entrega o livro para Leti. Ela pede que Leti fique e acompanhe enquanto a casa pega fogo. Assistimos a intensa cena em que a bisavó de Tic pega fogo, segurando a mão de Leti enquanto sofre. Uma cena pesada, impactante e extremamente cruel, ainda mais por sabermos que esse massacre realmente aconteceu.

Montrose e Tic retornam para o hotel, e Montrose percebe que há algo errado com o portal. Quando Tic atravessa, o portal se fecha, pois Hippolyta já não tem mais forças de mantê-lo aberto. Tic auxilia Hippolyta a continuar, pois Montrose e Leti ainda estão em Tulsa e precisam retornar.

Lovecraft Country: Episódio 9 - Rewind 1921 | Análise e referências

Esperando pelo retorno do portal e visivelmente abatido por todas as experiências, Montrose faz um poderoso monólogo enquanto vê Greenwood ser tomada pelas chamas: 

“‘Peg Leg’ Taylor foi o último em pé em Standpipe Hill. Deus, isso é importante. Mesmo assim, eles incendiaram a alfaiataria de Briar… A.C. Jackson, o melhor cirurgião negro de toda a América, assassinado com um tiro no rosto. A família Phelps escondeu pessoas negras em seu porão. Commodore Knox, eles o mataram por último…

Nesse momento, ele vê Leti atravessando a avenida em direção ao hotel, agarrada no Livro dos Nomes enquanto passa entre as bombas que são jogadas pelo avião que sobrevoa a cidade. 

O portal é reaberto com os esforços de Hippolyta. Com o uso de sua energia, seu cabelo acaba ficando azul, dando a ela a mesma aparência da personagem Orithyia Blue, heroína das histórias em quadrinhos de Dee. 

Lovecraft Country: Episódio 9 - Rewind 1921 | Análise e referências

Montrose e Leti enfim retornam para a realidade sãos e salvos. No episódio final, saberemos se eles conseguirão salvar Dee e impedir a morte de Tic durante o ritual em Ardham.

Acredito que o grande destaque desse episódio é, sem dúvidas, a atuação sensível, mas extremamente poderosa de Michael Kenneth Williams. Como já mencionado, o Montrose que encontramos nesse episódio é completamente diferente daquele de Whitey’s on The Moon ou de A History of Violence. 

Durante sua jornada ao longo dessa temporada de Lovecraft Country, Montrose se provou um homem atormentado por seus traumas, mas ainda esperançoso em ter um futuro da forma que ele tanto sonha. Temeroso, exposto e sem nenhuma defesa, o Montrose do final da série é imensamente mais complexo, mas também mais humano do que aquele que conhecemos no princípio.

A jornada pela memória de Montrose durante o episódio, passando por todos os momentos em que ele teve que abrir mão de quem realmente era para se tornar aquilo que esperavam dele, é com certeza o que mais chama atenção. Junto, obviamente, com a brutalidade do massacre retratada em tela.

Aliás, a ambientação de Tulsa e do massacre são poderosas. É muito importante ver uma representação dessas em um canal tão grande como a HBO após tantas décadas de apagamento das vítimas e do acontecimento em si. Junto com Watchmen, os seriados da HBO colocam luz na história e levam a mensagem a pessoas do mundo todo.

A direção de Jeffrey Nachmanoff também merece destaque. Esse é provavelmente o melhor episódio da temporada – que tem episódios incríveis – e o mais poderoso de todos. Sua execução é ótima e merece todo o reconhecimento. 

REFERÊNCIAS

Nesse episódio não temos tantas referências quanto os anteriores. Porém, podemos destacar alguns pontos interessantes que talvez você não saiba.

Durante o monólogo de Montrose, ele cita pessoas que realmente existiram e defenderam Greenwood durante a noite do massacre. O Commodore Knox foi a última vítima registrada do massacre e, por isso, ele também é citado por último no monólogo;

Quando vemos o bairro pela primeira vez, podemos ver um teatro que realmente existiu, chamado Dreamland. O Dreamland foi um dos inúmeros empreendimentos de Greenwood, como o Hotel Stradford que citamos anteriormente. O teatro também foi destruído durante o massacre. 

O Dreamland é também o palco do início da série Watchmen, onde vemos o pequeno Will (Louis Gossett Jr.) assistindo a um filme no início do episódio enquanto o massacre está acontecendo do lado de fora.  

Lovecraft Country: Episódio 9 - Rewind 1921 | Análise e referências

O poema que ouvimos durante a cena em que Hattie e sua casa são consumidas pelo fogo se chama “Catch A Fire”, escrito e interpretado pela ativista dos Direitos Civis Sonia Sanchez. Se você tiver interesse em ler uma análise específica sobre a metalinguagem do poema no episódio, esse artigo é uma ótima leitura complementar. 

O cântico foi regravado pela equipe de Lovecraft Country e você pode conferir nesta entrevista como tudo foi feito.

No primeiro episódio, Sundown, Tic tem um sonho com Ji-Ah como Dejah Thoris e, quando ambos estão prestes a serem comidos por uma criatura lovecraftiana, eles são salvos pelo astro do beisebol Jackie Robinson. Jackie fala para Tic a frase “Estou contigo, garoto!”, a mesma que Tic repete quando encarna o homem misterioso e salva seu pai, sua mãe e seu tio na praça em Tulsa.  

Lovecraft Country: Episódio 9 - Rewind 1921 | Análise e referências

VEREDITO

Com mais um ótimo episódio, Lovecraft Country se encaminha para o término da temporada com muitos ganchos e altas expectativas. O episódio 9, Rewind 1921, marca seu nome na história da TV como um dos episódios mais ambiciosos e necessários dos últimos anos.

Nossa nota

5,0 / 5,0

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.