Início FILMES Crítica CRÍTICA – Monster Hunter: Legends of the Guild (2021, Steve Yamamoto)

CRÍTICA – Monster Hunter: Legends of the Guild (2021, Steve Yamamoto)

CRÍTICA - Monster Hunter: Legends of the Guild (2021, Steve Yamamoto)

Em 2018, a Capcom havia anunciado que lançaria uma animação baseada em sua franquia de games; animação em 3D da Pure Imagination Studio chamada Monster Hunter: Legends of the Guild foi lançada, ontem (12), na Netflix.

A animação serve também como uma espécie de prequel de Monster Hunter 4 (Nintendo 3DS) enquanto também se conecta com Monster Hunter World (PlayStation 4, Xbox One e PC).

Em 2021, a franquia de games também ganhou seu primeiro filme em versão live action, loga dirigido por Paul W. S. Anderson e estrelado por Milla Jovovich.

SINOPSE

Monster Hunter: Legends of the Guild acompanha um mundo mágico onde humanos e monstros convivem em uma instável harmonia, correndo risco de cair em conflito a qualquer momento. Tudo é colocado em risco quando Aiden, um jovem caçador, decide entrar em uma batalha para salvar sua vila de um perigoso dragão.

ANÁLISE

A série Monster Hunter ganhou popularidade explosiva em todo o mundo desde o lançamento do jogo Monster Hunter para PlayStation 2 pela em 2004. A franquia de ação de caça já vendeu um total de 72 milhões de cópias em toda a série e conquistou o mundo ao desenvolver uma jogabilidade cooperativa entre os jogadores, caçando monstros em belos locais naturais.

As entradas mais recentes da série são Monster Hunter Rise, um jogo lançado para Nintendo Switch, e o jogo de RPG Monster Hunter Stories 2: Wings of Ruin, lançados em março e julho de 2021, respectivamente, para Nintendo Switch e PC. E agora, esta série de jogos de sucesso renasce como um filme de animado.

As animações baseadas em games não é algo inédito no catálogo da gigante do streaming visto que já temos: Castlevania, DOTA e Resident Evil, para citar alguns.

VEREDITO

O ponto alto do filme é também a principal característica da franquia: seus monstros bizarros com nomes mais estranhos ainda, mas o pouco tempo de duração do título prejudica o desenvolvimento dos personagens que formam o grupo de caçadores liderados por Julius e que ajudam o jovem Aiden a salvar sua vila.

Monster Hunter: Legends of the Guild é uma boa tentativa de expandir o universo da franquia da Capcom para uma nova mídia, mas infelizmente a qualidade visual da animação é no máximo mediana.

Para os fãs do game é um entretenimento a mais; por outro lado, para que não é familiarizado com o universo de Monster Hunter, a adaptação pode não chamar atenção.

Nossa nota

2,5 / 5,0

Assista ao trailer dublado:

Monster Hunter: Legends of the Guild chegou ontem (12) ao catálogo da Netflix.

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorNoites Sombrias #27 | O Exorcista: Confira a ordem cronológica da franquia
Próximo artigoCRÍTICA – Mudança Mortal (2021, Peter Winther)
Um carioca apaixonado por livros, cinema, games e que ama falar de nerdice.