Início FILMES Crítica TBT #120 | Reino do Superman (2019, Sam Liu)

TBT #120 | Reino do Superman (2019, Sam Liu)

TBT #120 | Reino do Superman (2019, Sam Liu)

Sendo a sequência da aclamada animação A Morte do Superman, a animação de Sam Liu lançada em 2019, Reino do Superman (ou, The Reign of the Supermen, no original) tinha duas difíceis missões. A primeira, manter o mesmo nível de qualidade de seu predecessor.

A segunda, montar o palco para Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolips, animação que encerra o grande warverso, querido por provavelmente todos os fãs da DC.

SINOPSE

Com a morte de Clark Kent, uma leva de novos heróis surge alegando ser o Superman. A situação acaba causando um caos geral, colocando humanos contra heróis. Piorando as coisas, a Terra se torna alvo, já que em todas as galáxias a notícia que corre é que o planeta está vulnerável sem a proteção do Homem de Aço.

ANÁLISE

Com a morte de Kal-el após a batalha contra Apocalypse, seguido pelo desaparecimento do corpo do herói de seu túmulo, Reino do Superman conta uma história instigante e, assim como nos quadrinhos, surpreende. Trazendo Lois Lane durante boa parte do longa como protagonista, investigando não só o sumiço do corpo como também o surgimento de quatro novas figuras, conseguimos perceber principalmente uma evolução desta personagem.

Os quatro novos heróis são, nada menos que novos candidatos a herdar o manto do filho de Krypton. Vindos diretamente dos gibis para o longa, o quarteto é composto por Superboy, Aço, Erradicador e Superman Ciborgue. Logo no início conhecemos um pouco do teor da disputa, com uma cena incrível de combate entre os quatro, entregando uma amostra dos poderes, capacidades e formas de agir de cada um.

Se seguisse com este tom, apostando no desenvolvimento da trama e destes personagens, o longa ganharia muito. No entanto, como já citei, a protagonista (não intencional) acaba sendo Lois, que assume todas as frentes, até mesmo em cenas de perigo. A animação teria ganho muito com um melhor aproveitamento dos Supermen e explorando mais do sentimento gerado pela ausência do original. Porém, infelizmente, não é o que acontece.

Falando em aproveitamento, o papel da Liga da Justiça neste filme é praticamente nulo. Eu compreendo que o luto após perderem um de seus principais membros possa ter afetado os ânimos, mas o que vemos na verdade é uma descaracterização dos grandes heróis. O argumento de que o foco seria nos “Supers”, e por isso ela precisaria sair de cena é válido. Mas a solução para isto poderia ter sido melhor elaborada.

Ainda que com estes pontos delicados contra a produção, o Reino do Superman consegue se reerguer, com o ressurgimento de Kal-el, a união inesperada com seus pares e o crescimento do enredo. Aqui, repito, o protagonismo de Lois reascende, onde ela se mostra crucial na última luta do longa, onde o Superman (o original) ainda não está forte o suficiente para encarar sua versão ciborgue.

VEREDITO

Da esquerda para direita: Superboy, Aço, Erradicador e Superman Ciborgue.

Apesar dos pesares, não é justo só criticar, ainda mais quando se trata de uma boa animação da DC. Ainda que com limitações, o longa consegue trazer boas cenas de combate, uma virada de expectativas em relação a algumas posturas de Lex Luthor e uma conclusão bastante satisfatória.

É, sinceramente, um bom filme, que consegue manter a qualidade das animações da DC, apesar de não aproveitar todas as forças que tinha à disposição. Como disse um admirador da DC, é muito boa, mas não consegue ser uma das melhores do warverso. Talvez o problema não sejam nem as falhas, mas a sina de habitar entre duas das melhores obras deste arco de animações da DC.

O filme está disponível via Telecine Play. Já conhece? Aproveita que tem 30 dias grátis e confere toda a gama de excelentes filmes que tem por lá.

Nossa nota

3,5 / 5,0

E você, o curtiu o Reino do Superman? Já assistiu a esta nossa indicação? Deixe sua avaliação e comentários e lembre-se de conferir nossas indicações anteriores do TBT do Feededigno. Tem bastante coisa bacana por lá.

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorMortal Kombat e muito mais: 7 filmes baseados em games de luta
Próximo artigoCRÍTICA – Radioactive (2019, Marjane Satrapi)
Vindo do interior do interior do RS, fã de Cornwell, Zelda e do Fernandão, (péssimo) piadista, dá pitaco sobre quase tudo. Amante da cerveja, gosta de estudar diferentes culturas, leciona FIFA nas horas vagas e tem um cachorro chamado Salomão.