Início SÉRIE Crítica CRÍTICA | We Are Who We Are: Episódio 7 – Right Here,...

CRÍTICA | We Are Who We Are: Episódio 7 – Right Here, Right Now VII

CRÍTICA | We Are Who We Are: Episódio 7 - Right Here, Right Now VII

O penúltimo episódio de We Are Who We Are foi ao ar na última segunda-feira (26/10), na HBO, com o título de Right Here, Right Now VII. A minissérie tem roteiro e direção de Luca Guadagnino.

SINOPSE

A base militar é abalada com a trágica morte de Craig (Corey Knight) e de outros soldados em missão. Enquanto todos tentam processar o luto, Caitlin (Jordan Kristine Seamón) precisa escolher entre o grupo de amigos e Fraser (Jack Dylan Grazer). Richard (Scott Mescudi) acusa Sarah (Chloë Sevigny) de ter causado a morte dos soldados.

LEIA TAMBÉM:

CRÍTICAS – We Are Who We Are

Episódio 6 – Right Here, Right Now VI

Episódio 5 – Right Here, Right Now V

Episódio 4 – Right Here, Right Now IV

Episódio 3 – Right Here, Right Now III

Episódio 2 – Right Here, Right Now II

Episódio 1 – Right Here, Right Now

ANÁLISE

CRÍTICA | We Are Who We Are: Episódio 4 - Right Here, Right Now IVRight Here, Right Now VII colocou em xeque os reais temas que a série deseja tratar. A um passo de seu final, We Are Who We Are parece querer abraçar mais do que seus oito episódios conseguem. Isso porque, ao tratar ao longo de uma hora como os personagens reagem ao luto, é pouco provável que questões como a transição de Caitlin sejam exploradas de forma convincente no último episódio.

Logo, o que fica é um gosto amargo na boca. O problema não é o episódio em si, até porque, a narrativa é pertinente e evidencia como esses personagens estão quebrados. Contudo, é decepcionante que a série queira concluir arcos após um momento onde os personagens estariam claramente desnorteados.

Apesar disso, o episódio sete é um momento único que ao trazer o sentimento de luto, raiva e tristeza causa um extremo cansaço no expectador. Já no ginásio da escola, quando Britney (Francesca Scorsese) entra pela porta e troca olhares com Caitlin e Danny (Spence Moore II) é evidente que houve uma tragédia. Logo, uma sensação de abatimento toma conta. 

No discurso de Sarah não podia ser diferente, a frieza que ela trata os acontecimentos dizendo que os soldados foram heróis é de revirar os olhos. Frazer tem o mesmo comportamento quanto a notícia, meio indiferente diz que eles eram soldados, ou seja, “estavam lá para morrer”. Não menos importante, é a reação de Richard e Caitlin para as atitudes de mãe e filho.

Richard por ser amigo próximo dos soldados mortos fica extremamente abalado e durante a homenagem culpa Sarah, já que foi ela que os mandou para a missão com pouco treino. A quebra de Richard era algo aguardado ao longo da série, sempre rígido, ver esse homem ter um momento de vulnerabilidade foi essencial para o desenvolvimento do personagem. Já Caitlin, de forma mais contida, dá um tapa em Fraser sendo sua angústia mais pessoal.

Em seguida, o grupo de amigos decide se afastar da base para passar pelo luto juntos. Sam (Ben Taylor) diz que Fraser nunca foi um deles e por isso não pode ir junto. Mas, por se tratar de um momento sensível para eles, Frazer diz a Caitlin que está tudo bem em ela ir.

As cenas que se seguem na mesma casa invadida do episódio quatro (último momento que vimos Craig) são incômodas. Todos estão absortos em suas raivas e tristezas, mas Danny se destacada.  Já no começo do episódio, a câmera subjetiva acompanhando-o, mostra o quanto ele se sente perdido em meio a morte de Craig. Sua reação era a mais esperada já que por ser uma pessoa instável, Danny está sempre ao ponto de quebrar.

No outro lado da trama, Maggie (Alice Braga) e Jenny (Faith Alabi) terminam. O fato é que realmente existia um sentimento entre elas, mas não é a primeira vez que Maggie tem um relacionamento extra conjugal e Sarah sabe disso. Logo, a comandante pede que a esposa termine com Jenny e Maggie se sentindo ferida pelo término pede que Sarah transfira a família vizinha. 

Fraser meio perdido sem Caitlin por perto vai até a casa de Jonathan (Tom Mercier) esperando ter um momento com o rapaz. Porém, chegando lá descobre que ele estava acompanhado de uma amiga. A garota tenta seduzir Fraser e em um primeiro momento parece que algo entre os três irá acontecer. Mas, Fraser se mostra extremamente abalado, pois não era isso que ele imaginava ter com Jonathan e assim, vai embora.

A cena final é a mais simbólica e bonita, deixando de lado a exaustão que episódios de luto costumam passar. Logo, ao chegar em casa, Danny estende seu tapete e faz sua primeira oração islâmica. Sendo o único personagem ao longo do episódio que finalmente encontra alguma paz de espírito.

We Are Who We Are se aproxima de seu final com aquele sentimento de que poderia ter mais três episódios. Não à toa, existe uma certa decepção quanto aos momentos finais da série. Por isso, resta saber o que Guadagnino reservou para seu ápice.

VEREDITO 

O episódio mais lento da temporada, mas também é o episódio mais desestabilizador. O que mostra o quanto Luca Guadagnino é penetrante ao contar essa história.

A direção é incrível e mais uma vez utiliza as cenas congeladas e as cores fria. O que deixa claro que: o aqui e agora pode ser transformador.



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.