Início SÉRIE Artigo Stephen King: As 10 melhores adaptações para TV

Stephen King: As 10 melhores adaptações para TV

128
0
Stephen King: Mestre do terror é tema de mostra no CCBB RJ, SP e DF

Podemos começar dizendo que qualquer momento é um bom momento para termos uma nova adaptação das muitas obras de Stephen King.

Graças ao sucesso de bilheteria IT – A Coisa em 2017, houve um ressurgimento de Hollywood dedicado a dar uma versão live-action às histórias de King.

Os trabalhos do autor foram muitas vezes adaptados para a telinha e por décadas Stephen King reinou como contador de histórias para eventos de minisséries, especialmente na década de 1990.

Revisitamos as melhores adaptações de TV do Mestre do Horror para preparar essa lista que representa as melhores séries baseadas nas obras de King.

IT (1990)

Veja, em dólares, o filme de maior sucesso da Warner Bros. baseado na obra de Stephen King é a adaptação de 2017, IT. Mas o original de 1990 foi um puro pesadelo para as crianças dos anos 90, graças ao retrato icônico de Tim Curry do palhaço sobrenatural e assassino Pennywise.

PUBLICAÇÃO RELACIONADA | CRÍTICA – IT: A Coisa (2017, Andres Muschietti)

O reinado de terror de Pennywise na cidade de Derry, no Maine, é a história perfeita para uma minissérie, e a ABC aproveitou isso com esse sucesso de TV que se tornaria o mote de muitas festas do pijama.

O falecido John RitterAnnette O’Toole e Richard Thomas lideram o forte elenco, que investem os personagens com mais do que está na página da obra de King e que definiria o cenário para todas as futuras adaptações das obras do autor.

THE TOMMYKNOCKERS (1993)

No canal ABC, em Maio de 1993, os Tommyknockers chegaram como uma minissérie para a rede de TV americana. Saindo do sucesso de IT, e antes da ambiciosa adaptação de The Stand, Tommyknockers é um material que merece mais.

A pequena cidade de Haven, local popular no trabalho de King, torna-se o marco zero para invenções malucas e uma fonte de energia verde ainda mais louca, ligada a origens extraterrestres por natureza.

As histórias de Stephen King funcionam melhor quando o terror é menos “homenzinhos verde” e mais baseado na Terra (ou no Inferno).

The Tommyknockers tem uma premissa emocionante, porém mal executada, apesar dos esforços sólidos de seu conjunto dinâmico, encabeçado por Jimmy Smits e Marg Helgenberger.

THE STAND (1994)

Jamey Sheridan em sua versão humana de Randall Flagg.

Para os fãs de King, quando perguntados sobre qual é a melhor adaptação da década de 90, é uma escolha difícil entre IT e The Stand, mas com uma ligeira vantagem sobre o último.

As adaptações épicas da ABC atingem um novo patamar ao trazer um dos vilões mais malignos de Stephen King à vida, o demoníaco Randall Flagg (Jamey Sheridan).

Na série, enquanto uma praga destrói a sociedade, seus sobreviventes são forçados a se reconstruir em um mundo pós-apocalíptico. Linhas são traçadas e lados são tomados quando um grupo se reúne em torno da profeta Mãe Abagail (Ruby Dee), pois o futuro do que resta da humanidade está na balança.

Com um elenco que inclui Gary Sinise, Rob Lowe, Kathy Bates e Ed Harris (!), The Stand trouxe para a TV um escopo épico anamórfico e elevou a discussão sobre que tipos de histórias você poderia contar na televisão.

Esta minissérie clássica é a favorita dos fãs em grande parte devido à sua (principalmente) visão fiel do material de origem, o que não é um livro fácil de adaptar.

Por mais ansiosos que possamos assistir à tão esperada versão da CBS All Access sobre o livro, será difícil vencer a original.

ROSE RED (2002)

Com o final da série excepcional de minisséries de TV de King, Rose Red foi praticamente esquecida, já que não foi um sucesso tão grande do público como IT ou The Stand. Mas apenas por não ter classificações recordes, não significa que os fãs devam ignorar essa homenagem à Shirley Jackson, autora de The Haunting of Hill House.

Rose Red é um remake da história de Jackson (e do filme de Robert Wise) que sofreu alterações para se ajustar ao formato da minissérie.

Nesta edição de três partes, Rose Red surge com uma narrativa muito superior da história da casa mal-assombrada.

Dirigida por Craig R. Baxley, a minissérie conta com os atores Nancy Travis, Matt Ross e Julian Sands lutando contra a mais assustadora mansão assombrada de Seattle.

Como o livro de Jackson, ou o filme de Wise, Rose Red investe nos personagens com um vício de horror psicológico, que aperta à medida que coisas mais inexplicáveis ​​surgem durante a noite.

A obra de Shirley Jackson também teve sucesso com sua nova abordagem pelas mãos de Mike Flanagan, na série original da Netflix: A Maldição da Residência Hill.

PUBLICAÇÃO RELACIONADA | A Maldição da Residência Hill: Terror para ninguém colocar defeito

THE DEAD ZONE (2002 – 2007)

O longa-metragem de David Cronenberg, de The Dead Zone, é um temporizador permanente. Ele lança uma longa sombra e reformulá-lo para a TV foi uma proposta arriscada para os fãs quando a novíssima USA Network estava tentando encontrar um nicho para si no espaço da TV.

Surpreendentemente, The Dead Zone é um esforço amplamente bem-sucedido que escapa à sombra de seu antecessor de tela grande e reforça a ideia de que Stephen King é um autor com histórias verdadeiramente cativantes.

De 2002 a 2007, os fãs deram um espaço significativo para a visão do ex-showrunner de Star Trek: The Next Generation, Michael Piller na adaptação do livro de King de 1979; com a série centrada em Johnny Smith (Anthony Michael Hall), que acorda de um coma investido na capacidade de ver eventos futuros e passados ​​ao tocar objetos ou coisas.

Suas habilidades são um dom e uma maldição, quando Smith passa a resolver crimes e os produtores conseguem encontrar maneiras inventivas de usar a capacidade de Smith.

Mas a razão pela qual esse programa se manteve tão bem é o desempenho de Anthony Michael Hall; ele é o coração pulsante da série, interpretando um homem lutando para viver o presente quando sua mente passa tanto tempo em ambos os lados.

Infelizmente, The Dead Zone teve um final de série negado quando foi cancelada em 2007.

UNDER THE DOME (2013 – 2015)

Adaptado pelo escritor de quadrinhos e TV Brian K. Vaughn, Under the Dome começa com um piloto convincente e envolvente na primeira temporada, enquanto conta a história de uma cidade pequena lutando com a vida sob uma cúpula de vidro que traz o melhor (e assustadoramente pior) em seu povo.

Embora essa possa ter sido a tentativa da CBS de preencher o vazio deixado por Lost, a série finalmente falha em cumprir sua premissa emocionante.

Esta série de curta duração marca um dos mais acentuados declínios na qualidade da televisão moderna, com sua terceira e última temporada lutando para resgatar o que tornou o programa tão intrigante em sua primeira temporada.

11.22.63 (2017)

Os atores James Franco e George MacKay em 11.22.63.

A série limitada do Hulu, dolorosamente subestimada, dos produtores executivos J.J. Abrams e Stephen King, é o melhor programa de viagens no tempo de todos os tempos ou está em disputa com a que você achar melhor.

A série de oito episódios de 11.22.63 é uma viagem fascinante baseada em personagens criados por King. E é estrelada por James Franco que dá vida ao personagem Jake Epping, um divorciado e professor de inglês que se depara com as tentativas de seu amigo de voltar no tempo e impedir o assassinato do presidente John F. Kennedy.

Depois de passar pela concepção complicada, apenas a partir da mente de Stephen King, de um portal do tempo existente na parte de trás do restaurante local de Jake, a série é relativamente fácil de acompanhar. Ele pega os grandes temas do destino e os envolve em torno de uma trágica história de amor que transcende o tecido do próprio tempo.

Embora alguns pontos da trama pareçam mais apressados ​​do que os fãs dos livros de King gostariam, parece ser feito em favor de dar amplo tempo de tela para a jovem bibliotecária Sadie Dunhill, interpretada por Sarah Gadon, que se apega à missão de Jake e se apaixona por ele.

O romance deles é tão convincente quanto a tensão e o suspense que impulsionam os telespectadores para um final excepcional.

MR. MERCEDES (2017 – presente)

Um programa que vale mais do que o público da antiga Audience Network da AT&T pode merecer, Mr. Mercedes segue o sempre divertido Brendan Gleeson como o detetive aposentado Bill Hodges.

Suas investigações o colocaram na trilha do serial killer sobrenatural Brady Hartsfield (Harry Treadway) que desencadeia em Hodges os demônios que ele tem em relação ao caso não resolvido do “Sr. Mercedes“, um assassino que deixou 16 pessoas mortas depois de levá-las com uma Mercedes em uma feira de empregos local.

O que começa como um jogo assustador de gato e rato on-line vaza para o mundo real, com consequências verdadeiramente perturbadoras, pois Hartfield não interrompe seus crimes até que ele deixe Hodges e nosso mundo assustados.

O destino dessa série convincente permanece no limbo, desde que a Audience Network foi encerrada no final de Maio de 2020.

CASTLE ROCK (2018 – Presente)

Podemos dizer que Castle Rock é tão ambicioso quanto perturbador, pois o produtor executivo J.J. Abrams empresta sua marca – e amor por tudo o que Stephen King faz – a esta série densamente traçada que finalmente cria um universo compartilhado semelhante à Marvel entre vários personagens e histórias de King.

A imperdível primeira temporada desta série original do Hulu deu lugar a uma subestimada segunda temporada, que se centra em Annie Wilkes (interpretado pelo assustador-talentoso Lizzy Caplan).

A maior força de Castle Rock é como ela ancora tanto o extraordinário quanto o aterrorizante para personagens simpáticos e relacionáveis ​​que simplesmente moram em uma cidade que os pesadelos chamam de lar.

Uma série de terror com partes iguais de thriller e mistério, Castle Rock é a rara adaptação de Stephen King para a telinha que parece saber exatamente o que é necessário para dar vida para as obras do autor.

THE OUTSIDER (2020 – Presente)

A série da HBO é um mistério de assassinato sobrenatural que faz pelas adaptações de King o que True Detective fez pelos procedimentos policiais.

De fato, The Outsider subverte as expectativas com uma forte dose de horror enquanto a polícia da Geórgia investiga um assassinato horrível que parece ter sido cometido por um homem (Jason Bateman) que pode estar em dois lugares ao mesmo tempo.

O uso de práticas de investigação para resolver um crime que desafia a realidade em que essas práticas se baseiam fornece a The Outsider uma vantagem temática rica, frequentemente ausente nas adaptações de King.

O que começa como um crime em uma cidade pequena se torna uma luta para aceitar – e parar – forças sobrenaturais de entrar no nosso mundo.

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Comentários