Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – Cena do Crime: Mistério e Morte no Hotel Cecil (2021,...

CRÍTICA – Cena do Crime: Mistério e Morte no Hotel Cecil (2021, Netflix)

CRÍTICA - Cena do Crime: Mistério e Morte no Hotel Cecil (2021, Netflix)

Cena do Crime: Mistério e Morte no Hotel Cecil é uma série documental dirigida por Joe Berlinger (Conversando com um Serial Killer: Ted Bundy). A produção original Netflix conta a história da morte de Elisa Lam no famoso Hotel Cecil.

SINOPSE

Elisa Lam (Viveca Chow) era uma turista canadense de 21 anos que se hospedou no Cecil Hotel no centro de Los Angeles em 2013. Elisa desaparece sem deixar vestígios. Logo, semanas depois, seu corpo é encontrado na caixa d’água no telhado do hotel. No entanto, imagens das câmeras de segurança flagram o momento em que Elisa aparece sozinha, desesperada e desorientada, dentro do elevador do hotel, como se estivesse sendo perseguida por alguém – ou por algo.

ANÁLISE

Qualquer um que se interesse por casos insólitos já se deparou com a história de Elisa Lam ou ouviu falar dos mistérios do Hotel Cecil. Visto que é impossível falar de um sem citar o outro, o documentário de Joe Berlinger faz questão de apresentar uma narrativa minuciosa. Dessa forma, Cena do Crime: Mistério e Morte no Hotel Cecil vai do real ao absurdo.

Isso porque, o documentário em formato de série se propõe a dissecar todos os detalhes, teorias da conspiração e acontecimentos que levaram à morte de Elisa. Para isso, primeiro é preciso conhecer os corredores obscuros do Hotel Cecil. Construído no final de 1924, este grandioso hotel no centro de Los Angeles tinha tudo para ser um lugar luxuoso e admirável.

Contudo, com a Grande Depressão de 29, o Hotel Cecil caiu em desgraça e seus 700 quartos se tornaram um lugar para violência, assassinato e suicídio. A vizinhança também piorou a reputação do hotel, já que a poucos quilômetros está Skid Row, uma perigosa área que abriga desde sem tetos a consumidores de drogas.

Logo, o Hotel Cecil já foi palco de inúmeros casos sinistros que ficaram marcados no imaginário popular e referenciados na cultura pop. Mas, nenhum caso foi tão infame ao ponto de criar uma histeria coletiva na internet como o mistério e a morte de Elisa Lam.

A estudante canadense de 21 anos se hospedou no Cecil em janeiro de 2013 em uma viagem pela costa leste. Elisa parecia estar em uma viagem de autodescobrimento e como todo jovem era muito ativa nas redes sociais. Mais especificamente no Tumblr, do qual fazia seu diário pessoal. Sua página chamada Nouvelle-Nouveau está disponível até hoje com imagens artísticas, pensamentos e até mesmo uma foto do Hotel Cecil capturada por ela mesma.

Através da internet, Elisa se expressava e criava seu pequeno mundo. Logo após seu desaparecimento em fevereiro de 2013 e tendo um vídeo seu de quatro minutos em um elevador como a única pista, a polícia de Los Angeles achou por bem pedir a ajuda dos internautas.

O vídeo em questão mostrava Elisa agindo de forma estranha no elevador, parecendo estar nervosa e fugindo de algo. Não demorou muito para que o vídeo se tornasse viral e uma comoção tomasse conta da internet, sendo até hoje um dos mistérios mais estranhos. Porém, após 19 dias de seu desaparecimento, finalmente o caso chega ao fim e Elisa é encontrada morta na caixa d’água do Hotel Cecil.

Cena do Crime aposta na dramatização 

Teorias e mais teorias revelam que a internet não é lugar para amadores. Desse modo, Cena do Crime utiliza de entrevistas com funcionários do lugar, policiais da época e youtubers obcecados pelo caso para contar de forma dramática quem era e o que aconteceu com Elisa Lam.

Tal como um seriado, a direção de Berlinger quer que o espectador sinta cada momento de Cena do Crime. A direção aposta na dramatização para entregar cenas que fazem o público se aproximar de Elisa. Esse recurso já havia sido explorado pelo diretor em Conversando com um Serial Killer: Ted Bundy (2019). Logo, transforma o documentário em uma produção muito mais fictícia.

Logo, cada episódio de Cena do Crime termina com um “gancho” para o próximo capítulo. Dessa forma, Joe Berlinger cria por vezes um senso de absurdo quando aposta em teorias da conspiração para explicar o mistério de Elisa Lam. Porém, a narrativa vai desfazendo os nós desse caso e deixando por terra qualquer alusão a assassinato, perseguição ou sobrenatural.

Ao fim, a série documental de Berlinger revela que Elisa tinha transtornos mentais, como bipolaridade e que sua morte, por mais misteriosa que pareça, foi somente um terrível acidente. Ainda que a história da morte de Elisa no Hotel Cecil tenha deixado para sempre uma marca na internet, resta ao telespectador conspiracionista aceitar os fatos. Elisa era uma jovem com problemas que assim como tantos outros precisava ser ouvida.

VEREDITO

Cena do Crime: Mistério e Morte no Hotel Cecil é um documentário que mais parece uma série dramática. O diretor Joe Berlinger cria uma imensa ambientação mostrando todos os detalhes e fatos dessa história que marcou a internet.

Apesar de sua duração de quatro episódios querer “forçar” certos aspectos da história, é uma ótima produção para tentar entender tanto o Hotel Cecil como Elisa Lam.

Nossa nota

4,0 / 5,0

Assista ao trailer legendado:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Truth to Power (2021, Garin Hovannisian)
Próximo artigoCRÍTICA – Com Você (2019, Gabriel Portella e Aline Sartor)
Jornalista em formação e apaixonada pela sétima arte. Representatividade e movimentos sociais através do cinema é fundamental. Apreciadora de livros, animes e joguinhos de ps4 nas horas vagas. The final girl.