CRÍTICA – Spriggan (1ª temporada, 2022, Netflix)

    Spriggan é nova adaptação da Netflix inspirada no mangá de Hiroshi Takashige, que é ilustrado por Ryoji Minagawa, infelizmente a obra de Takashige ainda não foi publicado no Brasil. Entretanto, o mangá possui uma adaptação cinematográfica, lançada em 1998 pelo Studio 4°C.

    A nova adaptação da gigante do streaming, chegou ao catálogo no dia 18 de junho; a primeira temporada da série conta com 6 episódios.

    SINOPSE

    As relíquias de uma antiga civilização guardam poderes perigosos. Ainda bem que os agentes Spriggan estão prontos para evitar que elas caiam nas mãos erradas.

    ANÁLISE

    O mais novo anime da Netflix, Spriggan, dá uma repaginada em animes menos conhecidos do público do ocidente de forma ótima, mas que pode acabar não sendo tão satisfatória para quem não curte animes com excesso de CG em 3D.

    Aqui, acompanhamos o jovem agente da corporação ARCAM, Yuu Ominae, em diversas missões que envolvem recuperar artefatos misteriosos antigos antes que elas possam cair em mãos de paramilitares e terroristas; e assim, evitando causar a destruição da humanidade. Além disso, Ominae terá que esconder sua identidade de agente de seus colegas de classe, mesmo que todos fiquem constantemente inconformados com a sua falta de comprometimento com os estudos.

    Apesar da trama ser bastante envolvente, o anime pode acabar sendo maçante em alguns aspectos como por exemplo, o protagonista ter que esconder ser “o fodão”, mas que tem de ser o aluno preguiçoso e desleixado com os seus colegas de classe para que não suspeitem de sua vida secreta de agente.

    CRÍTICA - Spriggan (1ª temporada, 2022, Netflix)

    No entanto, o anime é bastante chocante em suas cenas de ação e principalmente ao apresentar bastante gore, o que faz até ser difícil de acreditar que esse seja um anime produzido pela Netflix. Visto que poucas obras já produzidas pela gigante tenham a mesma pegada, como por exemplo Castlevania.

    PUBLICAÇÃO RELACIONADA | CRÍTICA – Castlevania (4ª temporada, 2021, Netflix)

    Por outro lado, a qualidade da animação é relativamente boa. Visto que a parte de CG causa muito incômodo com a animação tradicional. Creio que, se o anime tivesse optado unicamente pelo 2D, suas cenas ficariam bem mais agradáveis. Infelizmente, a animação CG fica ótima apenas nas armas dos personagens quando estão em ação.

    Outro destaque é o design militar dos personagens que faz excelente mescla do militarismo com cyberpunk.

    VEREDITO

    Por fim, Spriggan é uma ótima animação que segue a cartilha de clichês dos animes; com a produção fazendo grande referência à velha guarda dos animes, mas em paralelo apresentando uma nova roupagem. Infelizmente, acaba pecando pelo excesso ao seguir com uma animação CG e acaba perdendo a essência ao não optar pela animação em 2D.

    Nossa nota

    3,0 / 5,0

    Assista ao trailer:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Mulher-Gato: A Caçada (2022, Shinsuke Terasawa)

    Mulher-Gato: A Caçada é a mais nova aposta da DC e conta com alguns nomes conhecidos em seu elenco de voz. Confira nossa crítica.

    CRÍTICA – Manifest (2ª temporada, 2020, NBC)

    A segunda temporada de Manifest aprofunda ainda mais a história sem resolver arcos do passado. Mas isso é bom, ou ruim?

    Sandman: Quem é quem na série da Netflix?

    Sandman é um dos grandes lançamentos do mês de agosto na Netflix e conta com um bom elenco. Confira agora os principais nomes da série.

    PRIMEIRAS IMPRESSÕES – Sandman (1ª temporada, 2022, Netflix)

    Sandman chega na Netflix amanhã, 05 de agosto. Veja o que achamos dos primeiros episódios da adaptação das HQs de Neil Gaiman!