CRÍTICA – Monstro (2021, Anthony Mandler)

    Monstro é um longa de tribunal que já está disponível na Netflix. O longa é dirigido por Anthony Mandler e conta com diversas estrelas no elenco como John David Washington e Jeffrey Wright.

    SINOPSE

    Steve (Kelvin Harrison) é um jovem negro talentoso que acaba se envolvendo em latrocínio. Agora ele precisa provar sua inocência perante um júri que está sedento por justiça.

    ANÁLISE

    Monstro é um longa que abre uma ferida muito grande sobre o sistema penal norte americano que amplamente racista, pois muitas vezes condena jovens negros inocentes. 

    A proposta aqui é justamente contar, de forma não linear, a história de um homem que sofre por conta disso. O fato de não ser linear é uma faca de dois gumes, pois ao mesmo tempo que deixa a trama mais dinâmica, as constantes trocas de linha do tempo nos deixam confusos sobre o que está acontecendo.

    Um dos problemas da produção também se dá por causa da forma rasa que a história é contada, uma vez que são vários flashes de perspectivas diferentes de personagens. O roteiro acaba sendo picotado pela direção de Anthony Madler, tirando bastante urgência de Monstro. 

    PROBLEMAS DE MONSTRO

    O drama de Steve não é explorado ao seu máximo, uma vez que o tempo em que ele vive na cadeia é repleto de cenas rápidas e de pouco impacto. O ator Kelvin Harrison tem muito potencial, entretanto, é pouco explorado, uma vez que em suas poucas cenas de diálogos, ele consegue ser bastante competente.

    John David Washington está bastante caricato, assim como ASAP Rocky e Jharrell Jerome, algo que incomoda bastante, pois eles são estereotipados demais. As demais atuações são bastante competentes, com destaque para Paul Ben-Victor e Jeffrey Wright que estão muito confortáveis em seus papéis. Wright consegue entregar uma frieza e desconfiança muito grande com seu filho no olhar, já Victor é incisivo e instigante em sua atuação.

    Sobre a trama, ela é explorada de forma superficial e acaba se tornando mais do mesmo de filmes de júri. Temos as sabatinas dos advogados e estratégias de defesa, além de momentos de abusos naturais em todos as obras. Monstro poderia ter sido muito mais impactante se focasse menos no tribunal e mais na vida de seus personagens.

    VEREDITO

    Monstro é um longa que tinha um potencial incrível, mas que escorrega em sua direção confusa e roteiro raso. Com personagens interessantes, todavia, pouco explorados, o filme poderia ter sido muito mais do que. Entretanto, serve para ampliar a discussão sobre as injustiças do sistema penal e sobre o racismo que são sempre importantes para a sociedade.

    Nossa nota

    3,0 / 5,0

    Confira o trailer de Monstro:

    Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

    Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

    Artigos relacionados

    Cannes: 5 filmes cotados para dominar o festival

    Começou nesta terça-feira (17) a 75ª edição do Festival Internacional de Cinema de Cannes. Conheça alguns filmes para ficar de olho!

    CRÍTICA | Cyber Hell: Exposing an Internet Horror (2022, Choi Jin-seong)

    O documentário original da Netflix Cyber Hell: Exposing an Internet Horror mostra como uma rede de crimes sexuais atuava na Coreia do Sul

    CRÍTICA – Quatro Amigas Numa Fria (2022, Roberto Santucci)

    Estrelado por Fernanda Paes Leme, Maria Flor, Micheli Machado e Priscila Assum, a comédia Quatro Amigas Numa Fria estreia dia 19 de maio.

    12 filmes para deixar o coração quentinho em dias frios

    Nem só de romance vive os corações tomados pelo frio que tem tomado o Brasil. Confira filmes que vão te deixar de coração quentinho.