Início GAMES Crítica CRÍTICA – Knockout City (2021, EA)

CRÍTICA – Knockout City (2021, EA)

Knockout City é um jogo de queimada espacial, com um visual futurista, focado em experiências multiplayer para PC e consoles

Que tal jogar Queimada nas ruas de uma cidade futurística? Com um visual de jogos modernos como Valorant e avatares com traços estilo Space Jam, essa é a pegada de Knockout City, novo jogo da EA, lançado em 21 de maio de 2021.

O game é um EA Originals (selo responsável por It Takes Two e Rocket Arena) em parceria com a Velan Studios, empresa responsável pelo inovador Mario Kart Live Home Circuit, lançado para Nintendo Switch em 2020.

Nesta mescla entre empresas que dizem prezar por experiências multiplayer e design inovador, você pode esperar esses dois elementos em Knockout City.

SINOPSE

Enfrente outras equipes em mapas dinâmicos espalhados por toda a cidade. A queimada se desenvolve em telhados de arranha-céus, em ruas movimentadas — e até nos canteiros de construção locais. Enquanto desvia das bolas, tome cuidado com carros em movimento, quedas do telhado e até mesmo bolas de demolição.

ANÁLISE DE KNOCKOUT CITY

Jogamos Knockout City para o Nintendo Switch durante o evento de lançamento do game. A Festa do Bairro de KO City é um período de 10 dias em que o jogo pode ser baixado gratuitamente, seja no PC ou nos consoles disponíveis (veja quais são no fim do artigo).

Durante esse evento, os jogadores que comprarem as versões Standard ou Deluxe receberão brindes exclusivos in-game. Além disso, há uma série de acontecimentos dentro e fora do jogo durante a Festa do Bairro.

De bate-papo com os desenvolvedores no Discord até torneios online que pagarão dinheiro de verdade (US$ 5 mil para equipes da Europa e US$ 10 mil para times da América do Norte), é interessante ver a mobilização inicial da EA e Velan Studios para que Knockout City seja um sucesso.

Knockout City é um jogo de queimada espacial, com um visual futurista, focado em experiências multiplayer para PC e consoles
Clique na imagem para ver alta qualidade

Após a Festa do Bairro, o jogo será limitado apenas a quem o comprou (ou o comprar mesmo após o evento), e contará com eventos por temporada.

Boa jogabilidade

Logo de cara Knockout City te coloca em um tutorial para você se familiarizar com os comandos e os recursos que seu personagem pode utilizar. Também é uma oportunidade para você conhecer um dos mapas de KO City.

O tutorial é bem objetivo e, de fato, te ensina o essencial para sair jogando contra outros players. Após o tutorial inicial, você pode realizar os demais treinos em seu esconderijo, que é a área onde você fica antes de escolher que tipo de partida irá disputar.

O treinamento é dividido em vários momentos, que não precisam ser realizados imediatamente. No entanto, é bom fazê-los para conhecer todos os comandos e concluir Contratos, um sistema de conquistas que te dá experiência e aumenta sua Reputação (nível).

A jogabilidade no Nintendo Switch é ótima e aproveita bem o design do controle. Também vale destacar os feedbacks vibratórios que o jogo dá nos Joy Con em situações como a contagem regressiva para iniciar uma partida online.

Boa qualidade gráfica

O estilo futurista de Knockout City apresenta uma estética marcante. É improvável que alguém olhe para o jogo e não se lembre de Space Jam, especialmente do game para Super Nintendo.

Os cenários de jogo são muito bonitos e alguns são bastante desafiadores. Elementos como veículos voadores podem atropelar seu personagem e dificultar sua caçada aos adversários. Os diferentes tipos de bola, como a bola espacial (que altera sua gravidade como se você estivesse na Lua), também te obrigam a ser estratégico.

Sem dúvida são ingredientes a mais que deixam a experiência bastante interessante.

Knockout City é um jogo de queimada espacial, com um visual futurista, focado em experiências multiplayer para PC e consoles

Também é preciso destacar a variedade de personalização dos avatares. Logo de início você já tem uma série de roupas e acessórios que podem ser modificados. Você também pode mudar a cor da pele, o cabelo e o porte físico do seu personagem.

A capacidade de personalização aumenta à medida que você joga, ganha experiência e conquista alguns objetivos, pois o jogo te recompensa com novas skins.

Um detalhe que pode passar despercebido por muita gente (e talvez incomodar uma minoria) é o tratamento por pronomes. Tanto no jogo, como na divulgação da EA, a forma como as pessoas são tratadas é por ele e ela. Jogador e jogadora.

Considero essa uma iniciativa super válida que agrega à personalização, além de mostrar uma preocupação das empresas para que a comunidade receba e trate bem todas e todos. Afinal, um ambiente acolhedor e respeitoso é fundamental em todos os jogos.

Knockout City é pura diversão!

O forte de Knockout City é a experiência com mais jogadores. O objetivo é nocautear adversários em modos de jogo entre equipes 3×3, 4×4 ou livre.

Ou seja, você vai precisar trabalhar em equipe.

Algo muito interessante é a possibilidade de seu personagem se tornar a própria bola e ser arremessado por um parceiro de equipe, em situações em que nenhuma bola esteja disponível perto de você. Isso acrescenta mais um divertido elemento estratégico a Knockout City!

Se você pensa em comprar o jogo para Nintendo Switch, tenha em mente que você precisará de uma assinatura do Nintendo Switch Online.

Espaço para melhorias

Knockout City foi lançado em Beta há alguns meses. No entanto, há ainda algumas questões que podem ser melhoradas. Felizmente, são detalhes que não atrapalham a divertida experiência.

Se você for jogar no Nintendo Switch, dependendo do tamanho da sua TV será necessário ajustar a tela nas configurações de jogo. Isso porque alguns elementos ficam cortados na proporção padrão. É o caso da tradução em português do que o DJ está falando.

Outro ponto que me incomodou foi ter entrado em uma partida com minha equipe tendo eu e mais um jogador, enquanto o time adversário entrou completo com três. Nem preciso dizer que perdemos de lavada…

Para evitar partidas desleais, é interessante que a EA e a Velan Studios aprimorem a administração das salas enquanto jogadores são encontrados, de modo que permita escolher se queremos ou não jogar em uma partida numericamente desparelha.

Por ser um jogo baseado em temporadas, acredito que pouco a pouco Knockout City será aprimorado, inclusive com lançamento de novos recursos, especialmente se uma comunidade ativa se formar, e os desenvolvedores ficarem atentos.

Uma coisa que me incomodou foi a falta de clareza na divulgação do jogo. Na Nintendo eShop consta que pode ser jogado por até 8 jogadores, mas isso é apenas no online. É uma pena, pois seria incrível se Knockout City contasse com multiplayer local.

Outro problema na divulgação é a falta de clareza, ou até de atrativo, sobre as vantagens de comprar a versão Standard ou a Deluxe. E frustra saber que a diferença está apenas na quantidade de itens exclusivos que você pode receber ao comprar.

VEREDITO DE KNOCKOUT CITY

Knockout City oferece uma experiência inovadora ao unir o jogo de rua Queimada a uma experiência espacial e futurista. O design mistura referências visuais distintas, lembrando alguns jogos atuais e desenhos animados, o que garante um visual agradável.

A experiência em KO City é pensada para o multiplayer online por se tratar de um game de temporadas. No entanto, a jogabilidade e a diversão poderiam ser ainda melhores se existisse a possibilidade de multiplayer local, especialmente no Nintendo Switch.

Nossa nota

4,0 / 5,0

Knockout City está disponível para PC, PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X|S e Nintendo Switch. Aproveite para jogá-lo gratuitamente durante o evento Festa do Bairro, disponível até 30 de maio de 2021.

Assista ao trailer de Knockout City para Nintendo Switch:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorNoites Sombrias #15 | Tudo sobre Espiral, o reboot de Jogos Mortais
Próximo artigoCRÍTICA – Master of None (3ª temporada, 2021, Netflix)
Jornalista pós-graduado em Jornalismo Digital, fã de Mr. Robot, Pokémon e com uma menção honrosa a 24 Horas, o seriado que me fez entrar no mundo de séries e filmes.