CRÍTICA – Falcão e o Soldado Invernal (2021, Disney+)

    Falcão e o Soldado Invernal chegou ao fim e tivemos mais uma série que ficará em nossas memórias como um marco do entretenimento.

    SINOPSE

    Sam Wilson (Anthony Mackie) recebe o legado de ser o dono do escudo do Capitão América, pois Steve o escolhe ao invés de Bucky (Sebastian Stan).

    Entretanto, o Falcão abdica do símbolo, mas o governo dos Estados Unidos não vai ficar sem um Sentinela da Liberdade.

    Enquanto isso, um grupo denominado Apátridas se forma para derrubar as fronteiras das nações, buscando unir o mundo e criar um povo.

    ANÁLISE

    Falcão e o Soldado Invernal veio de mansinho depois do estrondoso sucesso de WandaVision, primeira série oficial da Marvel na Disney+ e conseguiu ser tão marcante quanto sua antecessora.

    Se em WandaVision tivemos um relato de uma mulher em luto e em profunda solidão, em Falcão e o Soldado Invernal temos uma grande discussão sobre legado e símbolos.

    Personagens como Sam Wilson, Karli Morgenthau e Isaiah Bradley deram o tom do que seria abordado, pois sofrem discriminação por vários motivos. Karli por ser uma refugiada é desprezada e humilhada pelos políticos das nações mais poderosas, se tornando uma párea.

    Já Sam e Isaiah são os dois lados da mesma moeda, visto que há um forte racismo sofrido pelos dois. Pelo primeiro, ele é mais velado, uma vez que vem pelas beiradas, atacando o Falcão por diversos lados, seja na hora de conseguir um empréstimo, seja na hora de ser abordado pela polícia em uma breve discussão com Bucky, ou ainda por não ser o candidato ideal do governo norte americano, que prefere um homem loiro sem escrúpulos para representar a nação mais poderosa do mundo.

    A SIMBOLOGIA DE FALCÃO E O SOLDADO INVERNAL

    Falando sobre isso, temos John Walker, interpretado muito bem por Wyatt Russell. O personagem é cinza e possui diversas camadas que o colocam como um dos mais memoráveis papéis do Universo Cinematográfico Marvel. Ele é tudo aquilo que os Estados Unidos é, mas que esconde por baixo dos panos. Walker é um valentão que quer respeito na base da força, buscando sempre se impor como uma autoridade.

    Do outro lado temos Karli com uma proposta parecida, entretanto, com ideais mais libertários, visando sair das amarras de sistemas que oprimem. Sua essência é digna, porém, seus métodos a tornam uma vilã clássica, algo que pode ter sido um escorregão da série que poderia ter abordado de forma mais profunda o grupo anárquico.

    E ainda temos Sam e Isaiah, que são opostos, mas que sofreram o mesmo trauma. Isaiah tem muito rancor em seu peito, pois sofreu muito nas mãos de quem deveria lhe agradecer. Sua revolta é mais do que justa, visto que ele deu sua vida pelo seu patriotismo e recebeu apenas ódio, muito diferente de Steve Rogers que foi recebido como lenda viva.

    TEMOS QUE FALAR SOBRE OS PROTAGONISTAS DE FALCÃO E O SOLDADO INVERNAL

    Sam é a figura mais poderosa da série, não por conta de suas asas e agora seu escudo, mas sim, por ser um homem que acredita em seus valores e que é um símbolo de como devemos pensar e nos imaginar como pessoas. Sua luta é a de todos nós, negros, imigrantes, migrantes, pessoas de origem asiática, muçulmanos que todos os dias são humilhados e discriminados, sofrendo apenas por serem diferentes do padrão. O agora Capitão América representa uma boa parcela dessas pessoas e a escolha é incrível por conta disso.

    Por fim, mas não menos importante, temos Bucky, que tem uma boa história, pois há aqui uma dívida a ser paga. O Soldado Invernal luta com seus maiores inimigos: seus demônios internos. Sua jornada é mais contida, todavia, dá uma profundidade muito boa ao herói.

    VEREDITO

    Falcão e o Soldado Invernal é uma série que entra para a história por ser tão didática e importante para discussões que normalmente a Casa das Ideias nunca pensou em fazer em seu universo dos cinemas e TV.

    Ao mostrar como a discriminação cria barreiras e que o mais importante é entender o porquê essas pessoas muitas vezes reagem de forma agressiva é uma reflexão que deve ser feita por todos nós.

    Mesmo que em alguns momentos a série peque em problemas técnicos, sua trama e bons momentos somam muito ao espectador, trazendo um dos melhores materiais já feitos pela Marvel até o momento.

    Nossa nota

    4,5 / 5,0

    Falcão e o Soldado Invernal tem seis episódios e todos eles possuem crítica no nosso site e no canal do YouTube. Se inscreva clicando aqui e acompanhe também nossa página especial d serie da Disney+.

    Artigos relacionados

    Séries e filmes coreanos para assistir na Netflix nos próximos meses

    A Netflix terá lançamentos para todos os gostos nos próximos meses: a maior e melhor variedade de conteúdo coreano disponível!

    CRÍTICA: ‘Lovely Runner’ é sobre o amor entre as linhas do tempo 

    Lovely Runner é a mais nova série de drama coreano lançada pelo serviço Viki Rakuten. A série é executada por Boo Sung Chul.

    As melhores séries de médicos que você precisa assistir

    Desde que a TV se tornou popular, as séries de médicos sempre foram classificadas entre os tipos de programas favoritos dos espectadores.

    The Acolyte: Conheça Tràkata, o estilo de luta usado por Qimir, o Estranho

    Tràkata é um estilo de luta muito particular. Chamado por muitos de injusto e indignos, foi o estilo de luta utilizar por Qimir, o Estranho.